English French German Spain Italian

O futuro glorioso dos crentes

Texto: Romanos 8.18-25


O texto em que ¹ancoramos nosso tema, nos fala sobre uma glória a ser revelada em nós. A leitura cuidadosa do contexto nos informa que essa glória se manifestará concomitante à vinda de Cristo, a “glória” está ligada diretamente a parousia do Messias ressurreto. Isso nos faz pensar que a vida do crente passa necessariamente por uma orientação escatológica, o crente vive o “presente” imerso nas implicações da sua fé, mas, aguarda e espera por algo muito maior e melhor. O crente sabe que embora no tempo presente ele usufrua bênçãos maiores e mais intensas do que aquelas que experimentaram nossos irmãos do Antigo Testamento. Há muito mais ainda por receber.
 Nessa esperança, ele caminha, ele vive. Embora, importa que no presente sejamos contristados e afligidos, o amanhã de Deus para os crentes vai tornar todas as dores como coisa insignificante frente à glória do que Deus tem reservado para nós. Paulo contrasta o sofrimento “presente” como a “glória” futura. A esperança nesse futuro glorioso deve funcionar na vida do crente como uma inspiração para o enfrentamento das adversidades do tempo presente.
Esse futuro glorioso passa por dois pontos importantes da teologia cristã. A volta de Cristo, e a glorificação do crente. A glória a ser revelada em nós, envolve esses dois pontos. Concomitante a vinda gloriosa de Cristo ocorrerá a transformação, ou melhor, a glorificação do corpo do crente(a redenção do corpo verso 23). O crente receberá um corpo que se assemelha ao corpo glorioso do Jesus ressuscitado. Paralelo a esse evento ocorrerá também, a redenção da natureza, pois a natureza será redimida do cativeiro da corrupção. Como o crente aguarda a manifestação do Cristo glorioso, a natureza aguarda a manifestação dos “filhos de Deus”. A natureza aguarda a manifestação dos “filhos de Deus”, por uma razão muito simples, a glorificação dos crentes por ocasião da vinda de Cristo significará ao mesmo tempo a redenção da natureza. Isto é, quando os filhos se manifestarem em glória com Cristo, imediatamente a isso a natureza será beneficiada com a redenção do cativeiro da corrupção. O pensamento de Paulo deixa claro que a natureza também padece sob os efeitos do pecado e precisa ser redimida também. Vejamos:

Em Romanos 8.20: “É dito que a criação está sujeita à vaidade.” Vaidade é o termo grego “Mataiotes” que no contexto aqui significa que a natureza não atinge os resultados designados em decorrência do pecado.

Ainda em Romanos 8.21: Lemos sobre a natureza no cativeiro da corrupção. O termo grego para “Corrupção” aqui é “Phthora” que significa ser levado a uma situação pior.

Em Romanos 8.22: Paulo diz que a natureza geme e suporta angústias.
O termo grego para “suporta angústias” é “Synodinei”, que é uma referência as dores de parto. Como vimos a própria natureza em decorrência do pecado perdeu seu sentido original, sua capacidade de atingir seus objetivos, e ela própria definha sob o jugo do pecado. O homem doente adoece a terra. É o que a bíblia diz, mas o oposto também é verdade, quando o homem for completamente curado do seu pecado, a natureza será completamente restaurada à semelhança do Éden de Deus.
O futuro glorioso do crente como já falamos envolve a redenção do seu corpo. Paulo em Romanos 8.30 descreve nessas palavras o desenvolvimento da salvação do crente: E aos que predestinou, a esses chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou. A glorificação do crente, que envolve a transformação do corpo do crente em um corpo à semelhança do corpo de Cristo. Pertence, poderíamos dizer ao último estágio da obra redentiva de Cristo em nós(1Co.15.50-58). Pois não existe redenção completa sem que envolva o corpo. Com um corpo semelhante ao de Cristo, tudo em nós será perfeito. Teremos:
(a)    Uma visão perfeita.
(b)   Uma audição perfeita.
(c)    Uma fala perfeita.
(d)   Um agir perfeita.
Enfim, teremos um viver perfeito.
Façamos irmãos da esperança nesse futuro glorioso à ferramenta através da qual possamos transformar o presente e descansar sobre o futuro. Não importa qual seja a opinião do homem sobre amanhã, o amanhã de Deus para os crentes será um amanhã glorioso. Amém.

 ¹- Resumo do sermão pregado no domingo 1 de julho de 2012 no templo da Igreja Presbiteriana do Brasil em Andorinhas/Magé-Rio de Janeiro